quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Tu

Tu vieste de mansinho e entraste no meu mundo. Olhaste-me nos olhos e viste o que os outros não vêem. Tocaste a minha alma quando eu não deixo que ninguém o faça.
E no momento seguinte fugiste. Presumo que também tenha sido demasiado intenso para ti. Tal como foi para mim. Eu fugi na direcção contrária.

O que poderia eu fazer se não fugir de ti e do teu olhar? O que poderias tu fazer? Nada... nada mais havia a fazer.

1 comentário: