segunda-feira, 30 de junho de 2014

Desânimo

Hoje desanimei....

Porque não somos de ferro todos os dias, a todas as horas. Também há momentos em que o desânimo vence e acabamos a deixar-nos levar naquele que sabemos não ser o caminho a seguir.

Amanhã virá uma dose reforçada de força. É disso que preciso por estes lados. Preciso de força para aguentar todas as vicissitudes que me estão a encravar o normal funcionamento da minha vida.
Se eu já sobrevivi a tantas outras coisas não é isto que me vai ceifar a vontade de seguir em frente. É apenas um abanão. Amanhã o sol volta a nascer e com ele virá uma dose reforçada de vitalidade... Eu sei que será assim!

sábado, 28 de junho de 2014

Diga 33!


Pois é verdade, cheguei à idade de Cristo!

[achei que a imagem ilustra bem as minhas últimas semanas]

sexta-feira, 27 de junho de 2014

O que eu queria?

Mas assim mesmo mesmo o que eu queria?

Ter saúde!
(já sei, falo de barriga cheia porque não tenho nenhuma doença grave ou incapacitante)

Passei o Inverno inteiro a apanhar e a curar gripes fortes, com direito a febre e calafrios e o raio.
No inicio de Março tive uma infecção na garganta que me obrigou a tomar antibiótico (coisa que é raro eu precisar).
Neste momento estou a tomar a 2ª dose de antibiótico (3ª do ano) no espaço de menos de 2 semanas. Sendo que a 2ª infeção (que estou a combater agora) se desenvolveu enquanto eu estive a tomar a 1ª dose de antibiótico.
Estou de cama porque ou eu curo muito bem esta infecção ou arrisco-me a desenvolver uma outra patologia... daquelas bem chatas e com um fim pouco agradável, e para isso já me bastou o sofrimento por que passei esta madrugada!

Por isso, sim! Eu sei que há gente a batalhar contra doenças muito graves!
Mas o meu desejo de hoje era só ter saúde (e paz e sossego...)!

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Escrever

5 rascunhos... 5!
Sendo que tenho muita coisa que escrevo sem intenção de publicar (e esses normalmente escrevo num caderno que me acompanha em determinadas situações) e onde também sei que tenho textos inacabados.

E tempo para pensar nos assuntos? E disposição para escrever? E inspiração?
Acho que os rascunhos não vão sair desse estado nos próximos tempos... aliás, acho que a tendência é para acumular cada vez mais.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Era uma bomba à espera de rebentar

Na última toma de antibiótico troquei os comprimidos e tomei outro. Por acaso esse era para ser tomado daqui a 1 hora.
Olha, agora já foi!

Oh meu S. Pedro!

Será que é preciso que te faça um recado do estilo do que fiz o ano passado?

Faz favor de rever a meteorologia para o próximo fim-de-semana antes que eu me zangue a sério contigo!

terça-feira, 24 de junho de 2014

Detesto!

Quem lida comigo de perto sabe que odeio tomar medicamentos.... Sou capaz de aguentar uma dor de cabeça apenas porque acho que não justifica estar a encharcar-me em comprimidos. Adio a toma de tudo o que puder adiar o máximo de tempo possível.

Por isso, sentir-me como uma farmácia ambulante desde há cerca de uma semana é coisa para me dar nos nervos e baralhar-me o sistema.
Estou de tal forma que dou verdadeiras graças a Deus por existir uma coisa chamada "alarme de telemóvel" que me lembra à hora certa qual o medicamento que devo tomar... claro que também tenho as dores que, entre tomas, me lembram que tenho de tomar o medicamento SOS (ainda não houve toma nenhuma em que o tenha dispensado para grande desgosto da minha parte).

E é assim que ando a poucos dias de fazer anos... a minha esperança é que isto melhore antes do fim-de-semana.

Sabores de Verão

2 iogurtes magros sabor morango
3 bananas congeladas
8 morangos congelados

1/2 vagem de baunilha
1 colher de chá de mel
1 mão cheia de mistura de framboesas e amoras
3 colheres de sopa de aveia triturada (reduzida a pó)

2 colheres de sopa de sementes de chia trituradas

Colocar os iogurtes no congelador até ficarem congelados (1 hora). 
Quando os iogurtes estiverem congelados levam-se à liquidificadora juntamente com as bananas, os morangos, a vagem de baunilha, o mel, a aveia e as sementes de chia. Tritura-se tudo até obter uma mistura cremosa e consistente.
No final envolvem-se as framboesas e amoras nesse preparado e leva-se ao congelador em forminhas de gelados.
Ficam super cremosos, muito leves, mesmo bons.


A receita original (e transcrita na integra), foi retirada daqui.

Fiz com algumas alterações (sem vagem de baunilha, sem framboesas ou amoras e com iogurtes de soja) mas ficou imensamente saboroso (ou pelo menos assim me pareceu... dentro daquilo que as dores e o inchaço permitem) tal como imagino que o original deva ficar.

Ainda gostava de saber

Um dia gostava de perceber porque fico quase sempre doente na altura do meu aniversário.

Agora? Agora vou encharcar-me em medicamentos para ver se as dores não são muitas e se o inchaço diminui.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Há alturas em que parece que tudo se acumula, não temos tempo para nada e, só para cúmulo, as coisas não dão certo a 100%.

É assim que ando nos últimos tempos... Por isso, hoje tenho fé que este fim-de-semana vai ser o virar da página. É a partir de hoje que as coisas vão deixar de dar problemas e que, lentamente, tudo se vai conjugar da melhor forma.


É com este sentimento de renovação que vos deixo hoje!
Desejo-vos um resto de sexta-feira fantástico e um fim-de-semana ainda mais maravilhoso!

Ao ler o que escrevi

Ao ler o que escrevi neste post, verifico que escrevi "foi um processo (...)".
Ou seja, estou a escrever sobre este assunto conjugando os verbos no passado.

Não, não foi intencional. O texto saiu de forma muito natural sem eu reflectir muito sobre, neste caso, os tempos verbais.
O facto de escrever no passado significa que é aí que se encontra toda a situação e isso só me pode deixar feliz por ter conseguido avançar com a minha vida sem aquela sombra a pairar sobre a minha cabeça.

Em modo serviço público de divulgação de cultura #99


Mais informações aqui.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

What We Believe Changes Who We Are


Recomendo vivamente a leitura do texto indicado.
Confesso que gosto bastante de ler o que o Seth escreve. Pode parecer simples e banal mas são sempre coisas que me deixam a pensar sobre a nossa passagem por esta vida e como podemos levá-la da melhor forma possível.

O conhecimento que ele transmite provém, por aquilo que ele descreve de forma muito constante, de uma aprendizagem longa e dolorosa... com um combate assíduo a problemas de depressão.

Não posso dizer que alguma vez tenha chegado ao ponto a que ele chegou (estou mesmo a falar de suicídio)... mas tive períodos muito negros na minha vida de adolescente/ jovem adulta. Hoje sei que houve momentos em que efectivamente estive deprimida... mas naquelas alturas eu não o admitia de forma declarada (e não, nunca tive acompanhamento médico nesse sentido).

Mas este texto deixou-me a pensar que efectivamente a percepção que temos de nós próprios determina a forma como nós somos. E a percepção que temos de nós próprios provém muito daquilo que os outros nos transmitem (ou então damos o grito do Ipiranga e deixamos de querer saber o que os outros pensam de nós... mas já chegaremos a essa parte).

Quem me conhece, sabe que passei por momentos algo complicados há bem pouco tempo (o que são 2 anos se não "pouco tempo"). Esses momentos foram determinados muito pela influência de terceiros a "deitar-me abaixo" (umas vezes com palavras, outras apenas com atitudes). E eu acreditava nas coisas que eram ditas ou feitas perante a minha pessoa.
Até ao dia... até ao dia em que me foi dito algo que eu não admiti que me fosse dito. Nesse dia eu não acreditei naquelas palavras. Aquilo não me caracterizava e eu iria demonstrar (a mim mesma porque nesse dia eu deixei de me importar com a opinião dos outros) que eu era muito mais do que aquelas palavras.

Foi um processo longo. Foi um processo doloroso. Basicamente foi um combate constante contra pensamentos sobre mim própria que me tinham sido implantados durante anos a fio e que tinham culminado numa situação completamente insustentável.
Facilmente eu poderia ter chegado a um ponto de ruptura comigo própria. Felizmente isso não aconteceu.
Fui buscar forças ao fundo do meu ser e acabei por "renascer das cinzas".

Hoje em dia posso não ser "perfeita" mas sinceramente isso não me interessa muito. Sou quem sou com os meus defeitos e as minhas virtudes. Gosto de ser a pessoa que sou e, sinceramente, isso é-me suficiente! Quem também gosta de mim é favor "juntar-se à minha festa"... para quem não gosta, apenas tenho a dizer que "a porta da rua é a serventia da casa".

Sim, porque hoje em dia eu não admito que haja quem me queira deitar abaixo. Hoje em dia eu acredito no meu potencial enquanto ser humano!

Por isso, não poderia estar mais de acordo com estas palavras:

I personally feel that we possess the mental ability to damn or liberate ourselves by what we believe. Believing the worst about ourselves will bring us down and damn our progression. But believing the best about ourselves can help us to fly, fight, and crow.

Isto aqui é uma ditadura!

Este post advém de coisas que vou lendo por essa net fora... comentários cheios de veneno que são feitos sob a protecção de um ecrã.

Em 1º lugar, só posso dar graças a Deus por ser uma blogger "anónima" e por isso não tenho cá problemas de "cobras venenosas" virem destilar veneno por estas bandas.

Em 2º lugar, mesmo que fosse uma blogger "famosa", os comentários aos meus textos passam todos pelo meu crivo... por isso, no dia em que eu me deparar com um comentário que não me agrade, podem ter a certeza que esse comentário nem sequer irá ver a "luz do sol".
O espaço é meu e, por isso, aqui só é publicado aquilo que eu quero!

Sim, meus amigos, não se iludam a pensar que este espaço é uma democracia.
Não, isto aqui é uma ditadura... e aqui quem manda sou EU!

quarta-feira, 18 de junho de 2014

E assim de repente

Dou-me conta de forma demasiado física que vou fazer 33...

Só posso concluir isto: RAI'S PARTA OS 33!

domingo, 15 de junho de 2014

I'm just the way I am


Soul mates


Almas gémeas não têm necessariamente que viver um amor romântico. Almas gémeas apenas têm de se compreender mutuamente, respeitar-se e, acima de tudo, amarem-se de forma pura. Pode existir amor romântico mas também pode não existir e isso não irá afectar o relacionamento.

Eu acredito que encontrei a minha alma gémea! Aquela pessoa a quem não preciso de dizer uma palavra para que saiba qual o meu estado de espirito e que me ajuda apenas com um olhar e um toque.
Mas se encontrei o meu amor romântico? Não, esse ainda não encontrei.

Ando tão acelerada, mas tão acelerada!

... que ainda não tomei consciência que faço anos daqui a 2 semanas!

sábado, 14 de junho de 2014

Juízo!

Começo logo por explicar que, de fábrica, apenas vim com metade do juízo.
[o dentista que me mandou fazer a minha 1ª orto transmitiu-me que eu apenas tinha dentes do siso - aka juízo - do lado esquerdo... o lado direito era completamente desprovido de tal característica]

Quer dizer, tiveram os meus pais 15 anos a treinar para me fazerem e acabaram por me fazer com defeitos... ora só com metade do juízo, ora com pouca cartilagem no joelho direito [pensando no assunto, os defeitos são, de forma consistente, no lado direito... direi que esse lado foi descurado?]

Quando o siso superior deu sinais de querer ver a luz do dia [se bem que não sei exactamente que quantidade de luz é que estaria a contar ver], teve de ser imediatamente arrancado. Era isso ou ficava com o maxilar superior completamente "desarranjado" já que não tenho nem um milímetro de espaço livre!

Pouco antes do Natal de 2012, percebi que o siso inferior estaria a querer nascer [eh pá, com a quantidade de dores que tive nessa altura era capaz de ser difícil não ter percebido tal].
A minha dentista cortou-me a gengiva já que o dente não estaria a conseguir fazê-lo e fiquei bem.
Até esta semana! Comecei com um desconforto nessa zona, algumas dores [ou eu tenho uma tolerância muito grande ou foram mesmo só dores muito ligeiras],... lá tentei marcar consulta com a minha dentista mas aquela senhora é mais requisitada que sei lá o quê e simplesmente não consegui.
Hoje fui a um dentista que basicamente olhou para a minha gengiva e determinou que este juízo só irá sair com ajuda externa... e vai sair de forma permanente!

Por isso, é oficial..... a partir da próxima terça-feira à noite serei uma pessoa completamente desprovida de juízo!!!

Se com um quarto de juízo na boca, já sou como sou... mi aguardem que agora vou ficar sem juízo nenhum!

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Como saber que precisamos de descansar a cabeça com urgência

(tendo consciência que isso não irá acontecer tão cedo)

Chegar ao trabalho e procurar o telemóvel insistentemente dentro da mala.
Perceber que, eventualmente, nos esquecemos dele em casa.
Ligar para o nosso próprio número para verificar isso mesmo.
Mas ouvimos o telemóvel a tocar!
Olhamos para a secretária e lá está ele! (já o tínhamos tirado da mala quando iniciamos a procura insistente)

Enfim!!!!

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Ah e tal!

Ah e tal, é bom praticar exercício físico.
Ah e tal. é bom suar.
Ah e tal, é bom sentirmos dores nos músculos.

Pois... mas também é bom conseguirmo-nos mexer! Só acrescento isto.... AUCH!!!!

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Sim, sim... já regressei!

Mas isto tem andado a uma velocidade tão estonteante que ainda não tive tempo de parar um bocadinho por estas bandas.
Eu hei-de cá "voltar"! :P