sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Visão... ou falta dela!

Uso óculos desde os 6 anos, idade em que me detectaram (num rastreio completamente aleatório) que eu tenho astigmatismo.

A doença mais comum é a miopia (muitas vezes combinada com um pequeno grau de astigmatismo... eu sou o contrário do normal) e, por isso, quando me diziam... "mas, afinal vês mal ao longe ou ao perto." eu nunca soube responder. E a verdade é que os médicos nunca me explicaram nadica.

O certo é que tenho uma graduação jeitosa (que mesmo assim foi diminuindo ao longo dos anos) mas consigo fazer vida sem óculos.
Só a título de exemplo, a minha irmã (míope) quando fez cirurgia tinha uma graduação bem inferior à minha e quase não via nada sem óculos.

No outro dia, ao pegar no plano de treino do ginásio (onde não uso óculos), apercebi-me que se estiver com o papel mais próximo, consigo ler as letrinhas minúsculas que lá estão.
Então agora meti-me a fazer pesquisas para tentar perceber efectivamente qual o efeito da minha doença ocular! E descobri que o astigmatismo provoca desfocagem da imagem (para verem um exemplo cliquem aqui)... e não o típico "ver mal ao perto ou ao longe".
Portanto, quem tinha razão fui sempre eu que nunca consegui responder à pergunta que me faziam.

Claro que depois vejo pior ao longe.... mas isso já é o bocadinho de miopia que cá anda a fazer os seus estragos.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Vantagens de ser "livre"

Como não dependo da agenda de ninguém para fazer o que bem entendo, marco férias sem qualquer tipo de restrição.
O que faz com que possa marcar férias de acordo com o preço (mais baixo) das viagens que quero fazer!

Às vezes sou tão esperta! :D

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Constatação do dia de hoje (e esta é mesmo do dia de hoje)

Na minha vida não me faltam "queridos", "amores", "loves", "babes" e afins!
Na minha vida não me faltam abraços, beijos e mimos. Nem faltam conversas "non-sense" e conversas "full-sense".

Pelo menos sei que sou uma pessoa apreciada pelos que me rodeiam... e, como é óbvio, isso agrada-me profundamente! :)

Constatação do dia de hoje (ok, de ontem que já é quase meia-noite e meia)

Ser abraçada por um colega e perceber que fico quase totalmente por baixo do braço dele é coisa para me deixar com uma sensação de "portabilidade"...
Oh meu Deus! Não me podias ter dado mais uns quantos centímetros? Ou menos uns quantos a quem me rodeia?

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Em modo serviço público de divulgação de cultura #60


Tem dias!

Tenho dias em que parece que me esqueço que tenho um blog...

Parece que quero viver intensamente tudo o que me rodeia e esta parte da minha vida fica estagnada e, simplesmente, deixo de escrever e de pensar em escrever.

Hoje ainda não foi o dia em que voltei a este canto... pode ser que amanhã consiga! :)

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Num claro detour à linha de pensamento do texto em questão

Estava a ler este texto Estrelas Michelin apanham de surpresa quem as ganha, quem as perde e quem as recupera, e deparo-me com esta frase:

Uma das coisas que chama a atenção, sobretudo num restaurante que fica no meio do Alentejo, é ver aparecer alguém para jantar sozinho, conta, com uma gargalhada. Ou é um solitário ou um inspector Michelin.

Ou seja, um dia destes sou confundida com um inspetor Michelin num desses restaurantes perdidos por esse Portugal! :D

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Afinal não sou a única tolinha que canta enquanto faz a aula de cycle!

Hoje, ao meu lado, estava um senhor que até cantou mais que eu porque eu não conhecia a maior parte das músicas escolhidas para a aula.

Em modo serviço público de divulgação de cultura #59


No próximo sábado (dia 23/11) às 18h00  nas instalações da Cadeira de Van Gogh (Rua do Morgado de Mateus 41, Porto).

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

E assim de repente

Parece que vou voltar a Paris em Janeiro...
Oh que chatice tão grande!!!! Ahahahah

Da minha banda sonora #59


Sonhos

Eu sou daquelas pessoas que raramente se lembra dos sonhos que tem durante a noite.
Mas hoje lembro-me do que sonhei...

Sonhei com uma amiga minha. Sonhei que ela tinha uma irmã gémea que era como se olhasse no espelho. Sonhei que as 2 mais os nossos pais me ajudavam a fazer uma mudança de casa. Sonhei que íamos almoçar os 7 num restaurante à beira da estação de comboios de Santarém e depois eu ia fazer um trabalho e eles iam à vidinha deles. Sonhei que depois eu tinha de apanhar o comboio (mesmo tendo o carro carregadinho de tralha) mas que o perdi. Fui a correr trocar o bilhete de comboio e aqui.... troquei de sonho! Quando me levantei lembrava-me do sonho seguinte mas agora não me lembro!

Weird stuff!

Parece-me que:

Este vai ser o ano das gripes...
Two down, how many more to come??

domingo, 17 de novembro de 2013

Consequências

Uma das consequências de mudar de casa 2 vezes em cerca de 6 meses (o que leva a que tenha vivido em 3 casas diferentes nesse espaço de tempo) é "perder" alguns itens.

Eu sei que tinha um relógio castanho (não o usava muitas vezes porque tirá-lo magoava-me os dedos) mas hoje em dia não faço a mais vaga ideia de onde está!

Se está na casa nº1, ou passeia-se no pulso de outra ou foi directo para o lixo.
Se está na casa nº2, um dia destes encontro-o.
Uma coisa é certa, não está na casa nº 3.

Da aula de cycle de hoje

O sofrimento é um estado entre duas felicidades.

Da minha banda sonora #58


sexta-feira, 15 de novembro de 2013

E assim se geram os boatos

Ontem à noite cortei-me na mão.

Hoje ao chegar ao trabalho, estava a limpar a ferida para colocar um penso novo e uma colega diz "cortaste-te no pulso?", diz logo outra " a Sofia cortou os pulsos?".

Pronto! E assim se gera o boato de que eu cortei os pulsos... quando na verdade a faca espetou-se-me na mão quando estava a cortar castanhas!

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Ainda dos abdominais

Hoje parece que me dói ainda mais lá ao fundo... e tossir é um desafio à minha capacidade de aguentar a dor!

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Religião

Hoje cheguei a casa e tinha na caixa de correio uma carta cujo envelope dizia "Direitos Paroquiais".
Fiquei curiosa sobre o assunto e abri-a de imediato.
Deparei-me com uma carta do novo pároco da igreja que se situa do outro lado da rua do meu prédio. Nessa carta o mesmo apresenta-se e inicia a falar sobre o momento do ano que vivemos. E solicita que tenhamos este momento em atenção para contribuirmos com a Oblata, o sustento do pároco!
Isto são a primeira meia-dúzia de linhas de uma carta que ocupa meia página (o resto da folha está ocupado com um inquérito sobre a constituição do agregado familiar). Escusado será dizer que não li mais nada!

Parece-me que o senhor padre está um bocadinho equivocado quanto à distinção entre direitos e deveres. Sinceramente, gostava de saber em que mundo é que esse senhor vive para achar que eu dar-lhe dinheiro para o seu próprio sustento é um direito da minha pessoa!
Se o senhor padre estivesse a solicitar ajuda para ajudar os mais necessitados... eu ainda considerava. Agora ele está a solicitar dinheiro para ele próprio??? A sério? Tanto quanto sei os padres recebem um salário... pode não ser o mais farto mas é preciso ter lata!
Eu sei que nem todos fazem o voto de pobreza.... mas também não me parece nada bem que venham pedir dinheiro, para seu proveito próprio, em praça pública!
Se calhar tenho de começar a pensar em fazer uns envelopes bonitinhos e escrever uma carta (começo por colocá-la na caixa do correio dos meus vizinhos para ver qual é a resposta) a dizer "Olhem, o meu salário não me chega por isso é um direito vosso darem-me dinheiro para eu me sustentar".

O que acham???

Eu confesso que não sou propriamente o exemplo da boa cidadã católica.
Quando me perguntam, digo que sou católica não praticamente embora eu própria não saiba dizer muito bem como é que uma pessoa católica pode ser não praticante.

Fui criada na fé católica. Sou baptizada, frequentei a catequese, fiz a 1ª comunhão e a comunhão solene.
Acredito em Deus mas não consigo muito bem dizer se acredito ou não no Deus da fé cristã. É que para isso teria de acreditar que Jesus Cristo é filho de Deus (o que não acredito) e que a sua concepção foi imaculada (o que também não acredito). Teria de acreditar nos santos e nos milagres... e sinceramente, não acredito.
Acredito numa Entidade Superior que nos guia e nos pode ajudar em determinadas situações. Mas depois também vejo tanto mal no mundo que só me posso perguntar onde se encontra efectivamente essa entidade para deixar que essas coisas aconteçam.

Como por exemplo este padre (uma gota no oceano... há muitos assim) que vem pedir dinheiro em proveito próprio quando há, de certeza, muita gente a realmente precisar de ajuda nesta freguesia. Não seria muito mais cristão (ou apenas equilibrado por um Deus) ajudar essas pessoas que necessitam?

Eu quando posso, faço! Não com dinheiro (dinheiro pode ser muito mal gasto) mas com bens alimentares. Ainda no outro dia dei pão e queijo a uma senhora que estava a pedir na porta do supermercado. Pode ser pouco mas pelo menos sei que os filhos daquela pobre (disse-me que tinha meninos em casa... se era verdade ou não nunca saberei) tiveram alguma coisa para comer naquele dia.
É uma gota no oceano? É! Mas pelo menos fiz algo pelo próximo... e não por mim!

Ainda do ginásio!

Esta coisa de me doer os abdominais de cada vez que dou uma "tosseca" não é nada fixe!

terça-feira, 12 de novembro de 2013

A arrastar-me...

Posso arrastar-me até ao canto mais próximo e arrepender-me do dia em que achei que ia voltar ao ginásio assim com uma perninha às costas?

Lá uma coisa é certa... o corpo anda cansado e adormeço que é uma maravilha! (excepto quando chego a casa eufórica à conta da aula de teatro)
Ás vezes acho que quem me rodeia não me conhece mesmo...

Hoje pensei que quero mesmo passar o meu próximo aniversário fora do país.
Ao longo do dia fiz algumas simulações de preços de sítios onde gostava de ir (e acho que já me decidi por um).

Estava agora a dizer a uma amiga precisamente isso.... e a resposta dela foi que eu sou louca!

Oh pá! Mas isso não está já estabelecido??? :P

NOTA: para quem não sabe eu faço anos no final de Junho.

Da minha banda sonora #57


domingo, 10 de novembro de 2013

Da minha banda sonora #56

Sou a mariposa bela e airosa
que pinta o mundo de cor de rosa
eu sou um delírio do amor

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O comentário que "vira" post

Hoje comentei em blog alheio.... e achei que esse texto merecia destaque de post no meu próprio blog.

Sim, sou funcionária pública e hoje estou de greve. Pela 1ª vez! (e nunca mas nunca pensei chegar ao ponto de sequer ponderar fazer greve)

 Entendo quem está do outro lado e se sente injustiçado mas também acho que é necessário perceberem quem está deste lado. 
Sim, o Estado engordou e atira a austeridade para os mais fracos. Mas é necessários perceber que entre os mais fracos também se encontram os funcionários públicos. O sector privado não é o único a sofrer com cortes de regalias, aumento de impostos e fragilidade no emprego! 
Sou funcionária pública há cerca de 4 anos e desde que entrei... o meu salário baixou de ano para ano, limitam o meu trabalho porque não há dinheiro para reparar carros ou para combustível e, sinceramente, todos os dias temo chegar a casa e ter uma carta a anunciar que vou ser despedida. 

Só ainda para ser a cereja no topo do bolo.... eu trabalho num local dimensionado para 5/6 pessoas e onde trabalham efectivamente 11. No meu posto de trabalho chove! No Verão não podemos abrir a única janela desse espaço porque há uma fossa a passar por baixo dela. 
No mesmo concelho onde trabalhamos, a mesma entidade usufrui de umas instalações que denonima de "escola" que tem perfeitas condições (o edifício é novo) e que se encontra encerrado! 
Já fizemos pressão para mudarmos para lá, já fizemos abaixo-assinados e a resposta de Lisboa é sempre a mesma... NÃO! 
Ou seja, o estado prefere manter um edifício fechado e a deteriorar-se do que melhorar as condições de trabalho dos seus trabalhadores. 

 Por isso, hoje faço greve! Porque estou farta de todas estas situações! E estou farta de "estar calada". 

Não sou mais nem menos do que qualquer outro trabalhador... e só tenho pena que os trabalhadores do privado não se sintam "à vontade" para demonstrar o seu descontentamento.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Sentimentos

Tenho a sensação que os sentimentos são como as pastilhas elásticas... quanto mais mal nos fazem, mais colam e não desgrudam!

Das minhas experiências e da dos meus amigos essa é a conclusão a que chego... Casos de gente que não deixa o passado ficar no passado, que insiste em situações que já não têm conserto, que têm sentimentos tão fortes e que sofrem porque não são correspondidos ou porque a outra parte é, pura e simplesmente, um c***ão com pernas e quem está dentro da situação não consegue ver isso com clareza.

Eu também já estive lá.... já tive sentimentos que me deixaram cega e não quis ver o que estava mesmo em frente ao meu nariz.

Mas por mais "colantes" que sejam esses sentimentos, há sempre um dia em que acordas e percebes que, afinal, até consegues viver sem essa pessoa... e, imagine-se(!!!), até és mais feliz sem essa pessoa ao teu lado do que alguma vez foste com ela ali.

Recentemente li uma frase que dizia mais ou menos isto "são necessárias 4 estações do ano para esquecer uma pessoa".
Eu não acredito que esquecer uma pessoa seja a melhor solução... Somos os erros que cometemos e as lições que aprendemos deles. Somos os sentimentos frustados e as alegrias vividas.
Mas ultrapassar o sofrimento sentido é mais do que necessário! E talvez a regra das 4 estações não seja assim tão desadequada.
Claro que cada pessoa faz o seu processo de luto conforme entende ser o melhor para si......
No meu caso.... bom, no meu caso acho que posso dizer que o meu processo de luto terminou. As 4 estações já passaram e pensar que aquela pessoa existe algures no mundo (não sei onde nem me interessa saber) já não me incomoda o pensamento.

(Eu sei que isto não se diz... mas juro que houve alturas em que, se o tivesse visto deitado numa sarjeta, ia lá dar-lhe uns pontapés. Agora, se o vir deitado numa sarjeta, apenas viro costas e sigo com a minha vida)

Por isso, acho que posso afirmar com TODAS as letras que o meu sentimento, finalmente, desgrudou da minha alma... E agora vamos ser FELIZES meus amigos!!!! 

Da minha banda sonora #55


Em modo serviço público de divulgação de cultura #58


Tanto quanto sei já não há bilhetes.... mas ainda assim fica o apontamento! Até porque há Quintas de Leitura todos os meses! :)

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Vergonha?

Ainda no fim-de-semana, quando andava a tratar de assuntos "pessoais" num shoping, pensei o seguinte: "se há um ano atrás me dissessem que eu teria perdido toda a vergonha que tinha na altura, eu não iria acreditar".

Toda a vida fui envergonhada. Quase tinha vergonha de me mexer por pensar que os outros iriam julgar-me. Deixei de fazer muitas coisas que tinha vontade pura e simplesmente porque tinha vergonha.
Houve muitas vezes em que não saí de casa apenas para tomar um café porque não tinha coragem de entrar num café sozinha ou em que não ia a restaurantes porque não conseguia conceber os olhares alheios.

Hoje em dia não sou assim! Aliás, tenho alturas em que até prefiro ir ao café ou ao restaurante sozinha. É o meu momento de relaxamento. Da minha carteira tiro o telemóvel ou o caderno e escrevo a saborear um café ou uma refeição quente. Nem imaginam como isso é reconfortante para mim!

Mas ainda mais notório é a forma relaxada como me visto neste momento. Sem pensar que tenho de me fundir na multidão! Há dias em que quero mesmo destacar-me da multidão e uso pequenos truques para o fazer. Como por exemplo, usar collants coloridos com uma roupa mais neutra ou um acessório mais destacado.

Claro que tudo isto é uma aprendizagem... mas olhando para o passado e para o presente, fico admirada com a minha evolução e espero que esta seja sempre no sentido positivo.... e nunca mais no sentido negativo!

Também leiam este!


UAU!

Leiam este artigo que vale muito a pena!


Só tenho isto para dizer....
A psicologia é fantástica!

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Em modo serviço público de divulgação de cultura #57


Eu não mando nada!

Pois... eu bem tento!

Faço-me forte, digo que é assim e acabou, rosno e mostro os dentes... mas depois o pessoal vem com falinhas mansas e eu, molinha que sou, lá faço a vontade a toda a gente!

Enfim!!

domingo, 3 de novembro de 2013

Há dias assim!

Eu sou daquelas pessoas que, musicalmente, tem um gosto muito eclético. Ou seja, a escolha musical de determinado momento tem mesmo muito a ver com a minha disposição nesse momento.

Hoje a disposição deu-me para "dance music"... por isso passei a tarde a ouvir a radio spotify baseada na minha lista de dance music!
Os meus vizinhos (que ao domingo à tarde têm como hábito ouvir música pimba) devem ter ficado um bocadinho baralhados! :P

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Outono

Eu sou daquelas pessoas que adoram o Verão (o calor, as roupas, as frutas) e ficam deprimidas quando o tempo começa a esfriar... mas principalmente quando começa a chover!

No entanto, este ano, por opção, não tirei férias no pico do Verão. Os últimos dias de férias que tive foi em Junho.... e depois trabalhei até ao dia 1 de Outubro!
Isso não quer dizer que não tenha aproveitado o Verão. Até porque fui para a praia, fui a esplanadas, saí à noite... aproveitei o Verão como já há muitos anos não o fazia!

Agora o que me faz escrever este texto.
Um fruto tipicamente outonal é, sem dúvida, a castanha! É algo que gosto... mas não sou completamente vidrada! E até gosto mais delas cozidas (com erva doce) do que propriamente assadas.

Pois vocês acreditam que ando com vontade de comer castanhas assadas há pelo menos 2 semanas!!!! Só ainda não o fiz porque não as encontrei a um preço que eu ache acessível.


Será que vai ser este fim-de-semana ou ainda não???? 

Decisões, decisões!

Há cerca de 1 ano atrás tive alta da fisioterapia porque me comprometi com o médico de que iria fazer reforço muscular num ginásio. Yeah right!

Andei a adiar... ora era porque ainda não estava instalada na minha nova casa, ora era porque as aulas do ginásio eram muito tarde, ora era porque... pronto, não me apetecia!

O tempo foi passando e a história do ginásio estava sempre por aqui a pairar mas a motivação era 0!

Durante as férias, lá me decidi! Fui novamente ao ginásio que andei a visitar quando achei que iria conseguir conciliar e depois perdi a vontade. Pedi informações relativamente aos preços, condições, etc.
Tudo certo! Só que estávamos a meio do mês e eu teria de pagar a mensalidade inteira... então disse à recepcionista que voltaria no final do mês para fazer a inscrição e iniciar a actividade no inicio do mês de Novembro.

Ontem fui lá fazer a inscrição e deparei-me com uma promoção (que terminava ontem) em que a mensalidade do cartão livre (entrada todos os dias do mês com acesso a sala de máquinas, aulas (excepto artes marciais) e piscina e acesso livre a sauna e banho turco) ficava quase ao preço do cartão 2x semana (9 entradas no ginásio e 1 acesso a sauna ou banho turco por mês).

Pronto, lá me decidi pelo acesso livre... por isso, a partir de hoje sou uma orgulhosa frequentadora de ginásio!

Agora tenho de fazer um plano de treino que respeite o meu problema físico e até o ajude a atenuar, tenho de ter muito cuidado com as aulas para não me magoar, etc.

Isto há coisas que não vale a pena tentarmos nos impor! As decisões têm de vir naturalmente... se as forçarmos facilmente perdemos a vontade.
Acho que agora isso não vai acontecer! :D

Em modo serviço público de divulgação de cultura #56