Avançar para o conteúdo principal

O mundo é assim? Eu não quero viver num mundo assim!

Acabada de aterrar de uma viagem extraordinária, vou tomar um banho rápido, aquecer o estômago com comida caseira e saio para ir "dar duas de letra".

Quando me vejo fora de casa, ao virar a esquina para uma rua mais movimentada (e ainda agarrada ao telemóvel), vejo alguém caído no chão perto do semáforo a 2 ou 3 metros de mim.
Ao aproximar-me percebo que se trata de um senhor de alguma idade, de raça negra, visivelmente debilitado. Do outro lado da rua vejo duas pessoas que se encontram a gesticular e, momentaneamente, parece-me que será no sentido de ajudar a pessoa que ainda se encontra no chão.
Aproximo-me e pergunto-lhe "o senhor está bem? precisa de ajuda?". Responde-me que sim, que está bem. E aponta para um saco de plástico que, só nesse momento reparo, encontra-se aos meus pés. Pego nele e aproximo-me do senhor.
Também nesse momento percebo que as pessoas que se encontravam no outro lado da rua apenas estavam na sua vida e não quiseram nem saber se a pessoa que caiu ao chão (na sua frente) se magoou.

Insisto com o senhor "quer que chame alguém?".
Entretanto aproxima-se um rapaz.
De forma expedita, ajuda o senhor a levantar-se (fiquei admirada por o ter permitido). Ambos insistimos com o senhor se queria que chamássemos alguém. Acabou por nos responder que morava uns metros mais à frente (na direção para onde eu seguia).

Dei-lhe  para a mão o saco de plástico (que percebi transportar um tacho de metal provavelmente com o jantar que foi buscar ao restaurante da redondeza).

O senhor seguiu a sua vida e eu e o rapaz ficamos a olhar para ele a atravessar a rua.
O rapaz só me disse "estou com receio que venha a ser atropelado". Eu respondi "eu vou atrás dele para me certificar que não lhe acontece nada, também ia nessa direção".
Despedimo-nos sem sequer sabermos o nome um do outro. Aliás, acho que nem o rosto lhe irei alguma vez reconhecer.

Nestes minutos não contabilizei as pessoas ou carros que passaram por nós mas mais ninguém teve a vontade de ajudar uma pessoa visivelmente debilitada que se encontrava no meio da rua!
É esta a sociedade em que vivemos.... eu sei disso! Mas não consigo deixar de ficar triste ao ver estas coisas à minha frente!

Como é possível não dar a mão a quem está estendido na rua? E no dia em que formos nós? Não podemos esperar que alguém nos ajude num momento de necessidade?

Não! Eu não quero viver num mundo assim!!!

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Hoje escrevo-vos com o coração

[e publico para o mundo inteiro ver... porque há coisas que o mundo não precisa de saber mas há outras que preciso tirar de dentro do peito]

Há 4 anos atrás descobri que vinha sendo enganada pela pessoa que amava. Durante uns dias hesitei mas acabei por tomar a decisão mais dificil que alguma vez tomei: decidi que não queria mais aquela pessoa na minha vida. 
Psicologicamente estava de rastos... só eu sei o que passei, nesse último ano, nas mãos da pessoa que me tinha feito promessas vãs.

Das últimas conversas que tivemos ele disse-me que iria apagar o seu perfil de Facebook. Para eu não achar estranho... que essa decisão nada tinha a ver comigo, que era ele que precisava de o fazer apenas por si próprio.
[sim, eu lembro-me dessa conversa como se tivesse acontecido há 2 minutos atrás.... o raio da memória nesse tempo ainda era grande, enorme. 
hoje em dia é uma titica e quase não me lembro do que fiz hoje de manhã]

Tudo muito certo até eu descobrir, meses mais tarde, que quando ele me disse…

Acho que preciso esclarecer

A quem não convive comigo diariamente... Não me interpretem mal!

Eu segui e sigo em frente todos os dias. A pessoa a quem me refiro no post anterior é passado e não possuo qualquer sentimento por ele... nem sequer ódio.
As recordações do tempo que passamos juntos são-me completamente inócuas. Foram vivências e apenas isso.

A irritação que vos transmiti... eu diria que acontece de ano a ano e, lá está, apenas porque sinto que há ali um poder sobre mim. E se há coisa que eu não gosto é que tenham poder sobre a minha pessoa.

[eu sei que pareço calminha e, por vezes, até submissa.... mas é algo que não sou mesmo!]

Ia chamar este post de "homossexualidade" mas o que vou escrever é mais abrangente que isso

Acabei de ver o excerto do vídeo em que 2 jogadores do Sevilha, ao celebrarem a sua vitória contra o Benfica, se beijam.

Não sei se são heterossexuais, homossexuais ou bi e sinceramente não me interessa particularmente qual a sexualidade de duas pessoas sobre as quais nunca tinha ouvido falar a não ser há umas horas atrás.
Mas já que vou opinar, não me pareceu que aquele beijo que tenha sido algo "novo" entre eles... foi um beijo de quem se beija dessa forma, ou seja, não houve aquele momento surpresa. Sendo que isso não quer dizer absolutamente nada quanto à sexualidade de ambos.

E agora voltando ao que me levou a pensar escrever este texto.
Lembro-me de, não há muito tempo, ter visto uma notícia que divulgava o primeiro jogador de futebol a assumir-se como homossexual. Penso que ele era alemão... ou então jogava num clube alemão, já não sei muito bem. Lembro-me que nessa altura pensei que ele não poderia ser o único homossexual nesse meio. O problema é que o futebol é um d…