quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Existir?

Como podemos existir se não nos amarmos a nós próprios?
O amor próprio é a maior prova da nossa existência... quem não o sente desvanece no meio deste turbilhão de acontecimentos a que se chama de vida.

É preciso que tenhamos luz interior para conseguirmos que os "outros", os que nos rodeiam, nos vejam e admirem... e isso só irá acontecer no dia em que efectivamente gostarmos de nós próprios!

Ainda ontem uma pessoa, que não me vê desde a minha adolescência, me disse que eu tinha "luzinhas".
E aí eu percebi o potencial que existia em mim durante a adolescência mas que eu descurei durante praticamente a minha vida inteira. Não o alimentei e ele "apagou-se".

Até que levei patadas da vida e verifiquei que cheguei a um ponto tal de letargia que quem me via do lado de fora devia achar que eu estava "morta".
E estava... nessa altura da minha vida estava.
Mas as patadas foram de tal forma intensas que eu acordei... olhei em volta e decidi que quero que o mundo saiba que eu existo!
Arregacei as mangas e comecei a mexer-me... e a acender cada uma dessas luzinhas que eu tenho dentro de mim e que tinha apagado.

Neste momento não sei se todas se encontram acesas... mas pelo menos uma grande parte está. E eu gosto do que vejo reflectido no espelho. E gosto de ser admirada. Gosto de existir para os outros!

Sem comentários:

Enviar um comentário