segunda-feira, 24 de junho de 2013

E começa uma contagem decrescente

Faz, mais ou menos a esta hora, 1 ano que estava a ser carregada em braços por um desconhecido em direcção ao hospital. Sofri muito nesse dia e nos dias seguintes... por dores físicas e por dores psicológicas!

Este foi o momento em que iniciou a minha contagem decrescente, com o desenrolar de uma série de eventos que levaram ao meu conhecimento do que se passava dentro de minha casa sem eu saber.
Antes deste momento, muitas vezes ponderei sair por aquela porta e nunca fui capaz de o fazer. E porquê? Simplesmente porque eu tinha de viver o que vivi para conseguir (com muito sofrimento à mistura) seguir em frente com a minha vida.

No sábado vi uma pequena parte da entrevista da Sofia Sá da Bandeira no Alta Definição. E gostei do que ouvi da parte dela.
Basicamente o que ela disse nessa entrevista foi que as pessoas não recuperam de umas relações para as outras. Separam-se e um mês depois já iniciaram novos relacionamentos. Não sabem estar sozinhas e isso faz com que não recuperem as questões mal resolvidas no relacionamento anterior e repitam os mesmos erros no relacionamento seguinte.... numa espécie de ciclo vicioso!

Infelizmente eu acredito que fui apanhada num desses ciclos viciosos. Um ciclo que não era meu mas que se tornou meu!

Felizmente tive o discernimento (mesmo que de forma inconsciente) de o quebrar! Não me deixei envolver emocionalmente com ninguém até este momento porque ainda não me sinto preparada para o fazer. Porque acho que primeiro tenho de saber estar sozinha. Tenho de aprender a gostar primeiro de mim e só depois dos outros.
Por isso, até este momento, não me coloquei no "mercado". Fui-me divertindo sempre à margem de qualquer tipo de envolvimento mais "sério". Fui picando algumas pessoas à minha volta apenas porque gosto de receber elogios... e já percebi muito bem quando há maior propensão de os receber (o que me agrada soberbamente).

Quem sabe se um dia destes não me deixo envolver por alguém? Quem sabe? :)

Sem comentários:

Enviar um comentário